Archive for the ‘São teorias’ Category

Top 13 do Gato Fedorento

Posted: August 8, 2011 in São teorias

Como o Gato Fedorento é uma coisa que marcou a televisão portuguesa e me lembrei deles porque os vi na Fora da box no outro dia, para quem não sabe é uma série exclusiva para os clientes da meo e basicamente eles estão a fazer propaganda, tem o toque dos gatos e claro o seu humor mas não é a mesma coisa, seja como for, eu decidi fazer o meu top 13 (toda a gente usa o número 10 e tales, é só mesmo para ser diferente) dos meus vídeos favoritos dos Gatos, e não interessa quantas vezes eu veja que eu vou sempre rir!

13. Olha o kunaaaami fresquinhoo!

12. Eu era fã obcecada da floribella aos dez ou onze anos, tanto faz. Aquilo era uma merda mas eu lá gostava, não me perguntem como.
11. Tenho que ir a Quinchaça um dia destes… Deve ser melhor que Las Vegas… 
10. Qui istá a dizer? TÁ MALE!
9. Quando passou na televisão tiraram-me da sala por isso tive que esperar alguns anos para poder ver. 
8. Dicas úteis para quem deseja, digamos, ser político.

7. “Cuidado com as companhias Carlos Jorge…”
6. Tipo eu acho que este video, é epa, tipo bacano man. 
5. Dr. House à moda portuguesa com um gostinho fedorento
4. Entrevista com José Sócrates. Sensata e realista visto do ponto político e económico.

3. E queria anunciar aqui também no blog fachabor, que isto aqui, isto aqui é uma data de gatunos,  uma data de ladrões e uma data de cocksuckeeers!

2. Eu cheguei a decorar esta música. “Mostra aos meninos da cidade como é que isto se faz!”

1. E em primeiro lugar temos Alentejo… Sem lei!

Ginny Weasley and the…

Posted: July 16, 2011 in São teorias

Então estava a ver isto no tumblr e depois de rir-me um bom bocado perguntei-me: Mas porque é que se esquecem sempre da Ginny Weasley? E decidi fazer a minha versão da Ginny primeiro porque é a minha personagem favorita da saga e segundo porque não tenho nada para fazer e não me apetece ir dormir.

Ginny Weasley and when J.K. Rowling didn’t care about her
Ginny Weasley and the year she talked with snakes while possessed and had a crush with the boy who lived
Ginny Weasley and the year J.K. Rowling forgot her
Ginny Weasley and the Quidditch World Cup, boys and nothing more else
Ginny Weasley and the bitch of the asian girl
Ginny Weasley and the fuck yeah Harry loves her
Ginny Weasley and the bitch of Bellatriz Lestrage trying to kill her

Agora eu 😀

Victória Esseker and the year she found a book in the school library
Victória Esseker and the time she tried to learn how to speak with snakes
Victória Esseker and the time she said a lot of times expectro patronos and nothing happened
Victória Esseker and the time she really wanted to play Quidditch and be at hogwarts
Victória Esseker and the bitch of the asian girl kissing Harry Potter who should be kissing Ginny
Victória Esseker and the only book she own
Victória Esseker and the I WANT MORE at the end

Filosofia Punk – Parte 3

Posted: June 16, 2011 in São teorias
Decidi que dar exemplos é a melhor forma de explicar as coisas. Por isso neste post vou mostrar exemplos de coisas muito punk’s para que as pessoas pensem e analisem:

Jesus Cristo

Anne Frank

Pronto, tinha que vir os direitos do Youtube estragar o meu post. 
Vão ao youtube ver se se interessarem

Filosofia punk – Parte 2

Posted: June 13, 2011 in São teorias

Apareceu então alguém um pouco diferente com uma crista colorida e um casaco de cavedal que decidiu pegar nuns instrumentos pesados, nuns rascunhos e gritou para um microfone num bar qualquer desconhecido de Londres ou New York na década 70:
       -I’m gonna play some punk/rock! FUCK OFF!

Assim, deu-se nome a este movimento que existiu desde sempre. Punk, que na verdade significa marginal.  Ok, na verdade fui eu quem supos este acontecimento. 
Estes supostos tipos, os Sex Pistols na Europa, os Ramones nos USA, foram os pais desta filosofia assim dita e do género musical. E houveram umas tipas, as primeiras raparigas a tocar rock que acompanharam o nascimento do Punk e deram concertos com os Ramones. As The Runaways. Atrevo-me a chamar-lhes as mães do Punk. Marcaram a música, o feminismo e o mundo. Só que não aguentaram muito porque estavam demasiado avançadas no tempo. 
O tempo passou, o movimento ganhou popularidade e foi detectado pelos mídias, bandas formaram-se. The SlitsDead KennedysEddie & The Hot Rods, The Clash e mais uma enorme lista de bandas que não conheço ou que não chegaram a sair das suas garagens. 
Mais tarde na década de 90, o punk teve um filho chamado Grunge e uma filha chamada Riot Grrrl. O seu filho era muito parecido com ele, mas era muito sarcástico e por vezes depressivo. Vestia guitarras e vocais mais sujos que o Punk. A sua filha também tinha saído ao pai e parecia-se com o seu irmão, mas era mais tímida e detestava muito mais a mídia que eles. Ela era femenista e assassinava todos os machistas que lhe aparecem a frente. No grunge destacam-se bandas como Nirvana e Alice in Chains. No Riot Grrrl destacam-se as Bikini Kill e as L7
Curiosidade: Kurt Cobain vocalista dos Nirvana conhecia Kathleen Hannah das Bikini Kill e foi esta quem lhe deu a ideia de escrever a música Smells like teen spirit. Acontece que ela escreveu na parede da casa de Kurt “Kurt smells like teen spirit” e este achou que era algo muito punk e rebelde mas na verdade ela só queria dizer que ele cheirava ao desodorisante Teen Spirit da sua namorada amiga de Kathleen e membra da banda Bikini Kill.

Filosofia Punk – Parte 1

Posted: June 13, 2011 in São teorias

A internet é um centro de liberdade total, ou quase total. Cada um diz o que quer e pode transformar-se num génio com imensos seguidores. As notícias correm rápido. As novidades, as ideias, as pessoas, o tempo. Podemos conhecer bandas, livros, filmes e mesmo obtê-los sem pagar nada. Não é necessário marketing tradicional, comunicação social tradicional ou corporativas. A internet faz tudo isso, e melhor, fa-lo gratuitamente e é acessivel a maioria da população.

No facebook começam montes de protestos, bandas que se podem tornam em estrelas. No blogger há tanta coisa que posso ter na mão apenas clicando no botão seguir. Leio ideias doutros, histórias, conheço conteúdo musical à minha medida, actualizo-me de pequenas novidades. Com o google, bem com o google torno-me alguém mais culto e melhor entretido. Embora haja muita futilidade e pontos negativos, a internet continua a ser uma das coisas mais punks que o ser humano alguma já vez fez. Por quê? Porque a internet disse um dia:
       -Fodam-se Marketing, fodam-se mídias, fodam-se corporativas!
Isso mesmo. A net é uma coisa muito, mas mesmo muito punk!
É nisto que o punk/rock se resume. É esta a sua ideologia resumidamente. O verdadeiro punk diz:
       -Isto não faz sentido! Deixem-me-vos mostrar como é que isto se faz!
E pronto. A pena de morte é ilegalizada, a democracia aparece, a constituição muda, a guerra termina, um génio mostra-se, crianças nascem num mundo melhor. E a arte reflecte todo o processo, desde o “fodam-se” até a aprovação de novas leis e mudanças de mentalidades.

Eutanásia é um tema que tem estado em grande destaque na minha vida, é uma questão de vida ou de morte. Teriamos nós o direito de escolher a morte quando não somos mais do que um corpo sem vida própria? Seriamos capazes de desligar as máquinas que mantém viva uma pessoa que amamos? Temos nós o direito de escolher quem vive e quem morre? Ou poderiamos acabar com a dor, com uma simples dose de cianeto dissolvida em água?
É um dilema internacional que leva a discussões entre tribunais, médicos e familiares e muitas vezes o sujeito em questão não pode dar a sua opinião. E quando pode expressar-se e nos pede uma morte digna como a última coisa que quer na vida, será que podemos dar-lha? Depois de toda a dor, o sofrimento e lágrimas derramadas, ela teria o direito de ter uma morte doce e digna? Ou estariamos a brincar aos Deuses e as Musas? Ou estariamos simplesmente a fazer o que melhor sabemos? É uma questão de vida ou de morte que nos coloca entre a espada e a parede. Eutanásia, sim ou não? Eis a questão.