Uma competição perdida e doentia – Raparigas que me apetece matar

Posted: January 12, 2013 in Bipolaridades

Ontem estive a ter uma conversa com uma rapariga da minha turma que me contou a sua versão do porquê ter saído do seu grupo de amigos, eu questiono-me muitas vezes porque é que as pessoas me acham de confiança e me contam opiniões sobre outras pessoas ou factos.
A conversa que tivemos levou-me a concluir porque é que afinal uma rapariga da minha turma está a ficar cada vez mais magra e porque é que deixei de vê-la, a ela e a sua amiga a comer na cantina.
Não vou contar a história inteira que a minha colega me contou porque isto não é a As tardes da Júlia, vou contar o que me chocou, vocês não precisam de saber a história completa para eu fazer as minhas críticas.

Então, existe esta rapariga da minha turma, magra, produzida, poser de metal, wannabe, desejada por metade da cidade e popular, odiada pela comunidade metaleira e rockeira, depois existe a amiga dela, uma magricelas que lhe serve de aia, não tão bonita, e pouco popular que a única maneira de se safar no mundo social é ser amiga da outra. Nada que eu já não tivesse reparado.
O que realmente me chocou foi o que está por trás do facto de não comerem. E choca-me que raparigas de 14 ou 15 anos não queiram comer, eu acho que se tu tens vontade de enfardar uma vez que outra, tu tens de fazê-lo, privar-te de comer é algo que não faz sentido numa época em que temos a possibilidade de comer bem e com gosto. Queres emagrecer ou engordar? Fá-lo de maneira saudável.
Acontece que certo dia, estava esta minha colega que me contou a história, à porta da casa de banho quando ouve a popular a dizer à outra que é gorda, uma rapariga de menos de 1.60 que pesava menos de 55 quilos e que agora emagreceu ainda mais. Ela diz que isto começou a acontecer com frequência e que acabaram por almoçar bolachas maria em vez de uma refeição completa, “Vica, ela comia lanches completos comigo, sabes? Um sumo e um pão, um croissant ou um lanche, deixei de vê-la a comer” disse-me a rapariga. Eu compreendo que as raparigas queiram ser bonitas, eu quero ser bonita e não quero ser gorda, mas eu sei perfeitamente que se deixo de comer vou ficar sem o período e o meu cabelo vai cair, e acabo por ficar horrível ou morrer. Eu não imagino o apetite que estas raparigas devem ter e nem quero imaginar, é uma tortura física e psicológica, é contra a natureza fazer o que elas fazem, com já disse, come o que gostas, modera as doses e enfarda de vez em quando se te apetecer.
Mas porque é que uma amiga chama gorda a uma rapariga que é uma magricelas, ainda por cima uma amiga? Inveja? Não sei, eu às vezes penso que é querer descarregar em alguém. Para além do peso, a não popular sente que tem de estar à altura da popular, tem de se vestir tão bem como ela e tem de ter um namorado se a outra tiver um namorado, “Victória, se a popular estiver a namorar, a outra vai ter de estar a falar com um amigo desse rapaz”.

Estas não foram o único caso de raparigas jovens obcecadas pela perfeição física doentia que vi nestas últimas semanas, eu no outro dia conheci uma modelo, uma daquelas modelos que não tem jeito para ser modelos porque não parecem naturais e parece que vivem tão sufocadas pelas tendências que nem conseguem sorrir. Para além de arrogante, estúpida, infantil, ignorante e de tratar mal a mãe e a família e não saber fazer nada da vida (chega a mãe a casa dela que nem paga, tem de lavar 7 máquinas de lavar, tem a cozinha completamente suja, e acha que pode ir para as aulas quando lhe apetecer e que pode mandar calar a mãe e as irmãs a frente da minha família), nem bonita consegue ser, nem isso sequer. Sabem o que é que essa obsessão lhe fez? Deixou-lhe o cabelo tão estragado como a palha, uma pele coberta por base que se nota que há algo errado debaixo de quilos e litros de maquilhagem e um corpo que parece alterado através do photoshop, não parece natural, pernas palito e um cu do tamanho do Brasil não é exatamente algo atraente, parece anatomica e geometricamente errado e estranho. E tem vinte anos.
Expliquem-me, até quando é que as mulheres se vão torturar para serem melhores que outras? Nem o fazem para serem boas para os homens, mas sim por uma competição perdida. É uma corrida que não vale a pena miúda, não o faças, sê bonita e sensual, mas lembra-te que uma cara laroca não é tudo no mundo, vais precisar de muito mais para passar nos exames nacionais.

*Sujeito a correções

Advertisements
Comments
  1. Há pessoas a tentar a emagrecer e depois há pessoas como eu a tentar engordar uns kg.

    Mas eu também não percebo essa obsessão por serem magras, como que isso as fosse fazer mais bonitas, porque as raparigas extremamente magras, na minha opinião, só ficam mais feias…

  2. Eu optei por emagrecer por razões profissionais. Sei que ainda não tenho profissão definida, mas a verdade é que sabia mais cedo ou mais tarde que iria ter que emagrecer e optei por fazê-lo o mais cedo possível. Fi-lo, e faço-o, mas de uma forma saudável. Como tudo o que uma pessoa normal come, corto nos doces, gorduras e tudo o resto que é menos bom para a saúde e faço bastante exercício físico. Não concordo com o emagrecer de forma abrupta e de forma errada, até porque traz muitas consequências. Contudo, sei que muitas pessoas não pensam assim, mas deviam ler o teu post 😉

  3. FireHead says:

    É o fantástico e incompreensível mundo mágico da mente feminina. Vamos lá entendê-lo?

Comenta aí

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s