O conceito de Rebeldia

Posted: December 29, 2012 in Uncategorized

Se rebelde não é sobre fugir de casa a meio da noite para ir a uma festa e embebedar-se, ser rebelde não é sobre tirar más notas e faltar ao respeito aos teus professores, ser rebelde não é fumar nem viciar-se em drogas, ser rebelde não é cuspir para o chão nem falar mal, ser rebelde não é sobre incendiar carros nem sequer espancar a polícia nas manifestação, porque eles estão lá para te proteger de tiroteios e de ataques, e se eles escolhem o teu lado sabes o que é que acontece? Acontece um golpe de estado, é isso que acontece. E em muitos casos um golpe de estado não é um coisa positiva, por mais que eu deseje um.

Salgueiro Maia no centro

Sabem o que é ser rebelde, adolescentes do século XXI? A minha avó paterna era uma rebelde, ela fez parte dum partido que levou vários homens à presidência do seu país e foi professora no pós-guerra da Europa, numa altura em que mulheres ainda não eram bem aceites na política. A rebeldia no tempo dela era sobre ir para à guerra para impedir que os nazis dominassem o mundo, era sobre esconder judeus em anexos que escreveriam verdadeiras obras de rebeldia como a Anne Frack escreveu, era sobre ires para campos de concentração e morreres de inanição, febre tifoide, inalação de gás ou ainda queimado num formo ou enterrado vivo por seres contra o regime de Hitler, teres uma religião diferente ou seres homossexual. Era sobre salvar judeus que vinham pedir vistos a cônsules e passares mais de 30 000 vistos como Arístedes de Sousa Mendes passou. ilegalmente, indo contra as regras do próprio estado ou seres como Schindler e impedires 1200 pessoas morrerem em campos de concentração, gastando todas as tuas fortunas e arriscando a tua própria vida e carreira, sabes o que lhes aconteceu? Souda Mendes morreu na miséria e perdeu a sua prestigiada carreira de diplomático e Schindler caiu várias vezes na banca rota.

Anne Frank

Naquela altura, ser rebelde era sobre lutar pelo que acreditavas, arriscando a tua reputação, arriscando as tuas economias, arriscando a tua própria vida em pról de uma ideia. E ideias são perigosamente contagiáveis, pior que todas as pestes que varreram vidas na Europa medieval. Por isso, meus pequenos idiotas, quando vocês se embebedarem até entrarem em coma alcoólica, fumares erva ou seres mal educado com um adulto, não digas que és um rebelde, não te atrevas a pensa-lo quando não queres saber da política e economia do teu país, nem da maneira como as pessoas vivem na tua cidade

Jeanne D’Arc

Seres rebelde começa no momento em que nasce o teu espírito crítico, um espírito livre do que os outros pensam, começa por seres tu próprio por mais que te insultem ou te espanquem, fazeres as tuas escolhas e não jogares pelo seguro com medo de falhar. Se achas que és o maior por fumares drogas ou chegares à casa às seis da manhã, parabéns, não és um escravo graças aos rebeldes que lutaram pelos direitos das crianças e pela liberdade, não fazes puta ideia do que o mundo passou até a humanidade assinar a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Advertisements
Comments
  1. …nem do que a humanidade passará daqui em diante. Somos os filhos mimados de uma forma de vida que vai chegar ao fim de uma forma desastrosa.

    :)) bom post.

  2. fizeste-me querer partilhar o motivo pelo qual decidi deixar mesmo de beber álcool. Foi triste e deprimente. Já ando para o partilhar no meu blogue há imenso tempo, mas adio sempre, porque me envergonha… só há pouco tempo me consigo rir da situação e já lá vão… 4 anos.

  3. Boneca de Trapos: Suponho que seja mais ou menos pelas mesmas razões que eu estou a deixar de fumar :/ Opa, eu aprendi que fumar não era divertido, era macabro o facto de eu estar a ficar viciada. Falo muito sobre esse assunto, por isso, não tenhas medo de falar sobre o teu problema com o álcool, eu tive graves problemas de bullying e eu falo mesmo que me custe (claro que guardo muita coisa, mas alguém tem de falar, é a única forma das pessoas se ajudarem), e apesar da minha hipocrisia eu falo sobre o tabaco, porque eu aceito um cigarro num dia de merda, e tive um problema com um tabaco, estive viciada, o meu organismo pedia nicotina e tinha muita cede como quem quer um copo de água, e é triste que eu ainda fume depois de toda a merda que passei para perder o vício.

    Não tenhas vergonha, olha para mim, eu odeio tabaco, consegui escapar do vício e num dia de merda em vez de aguentar-me firme, fumo.

  4. 🙂 és uma querida, sabias?

    Bom, foi um problema, mas nao foi propriamente esse tipo de “problema com o álcool”, nao me viciei, nem fui alcoólica. Nada disso. um destes dias coloco lá no meu blogue. Até porque eu tenho grande confiança em vocês (as minhas leitoras), portanto… 🙂

    e tu, tenta mesmo livrar-te desse vício. E nao desistas de resistires sempre que te sentires tentada, e nao desistas de tentar outra vez sempre que falhares. Há sempre uma saída, mesmo que nao se veja imediatamente.

Comenta aí

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s